Domingo, 15 de Julho de 2018
Por Jarbas Aragão  |  Categoria: Diário  |  Fonte: Gospel Prime
Sábado, 21 de Abril de 2018 - 20:43
A+ A A-

Polêmica

Parlamento Europeu aprova lei contra "incitamento ao ódio" promovido pelos palestinos

3 bilhões de euros foram destinados à Autoridade Palestina nos últimos 10 anos

O PEGASE (Mecanismo Palestino-Europeu para a Gestão da Ajuda Socioeconômica) é a principal fonte de financiamento da Autoridade Palestina com verbas provenientes da Europa. Segundo seu relatório mais recente, o órgão recebeu 155 milhões de euros, mas somente 3 milhões foram investidos no “Instrumento para a Estabilidade e a Paz”.

Agora, a Comissão de Controle Orçamentário do Parlamento da União Europeia aprovou uma alteração na lei e interromperá a transferência do dinheiro caso a Autoridade Palestina continue “promovendo o ódio” nas escolas. Há centenas de relatos de como as crianças que vivem nos territórios palestinos são ensinadas na escola a odiar Israel e os valores ocidentais.

A nova legislação determina que o programa pedagógico e o material didático financiados com fundos da União Europeia devem “refletir valores partilhados, como a paz, a liberdade, a tolerância e a não discriminação”. Seu anúncio ocorre cerca de um mês após a Autoridade Palestina publicar seu orçamento anual para terrorismo.



Promoção da visão de mundo “islâmica radical”

O instituto de pesquisa israelense IMPACT-SE, da Universidade Hebraica de Jerusalém, que estuda e analisa livros didáticos oficiais em todo o mundo, ajudou a União Europeia a formular a nova legislação.

“As crianças palestinas recebem encorajamento intencional e sistemático para sacrificarem suas próprias vidas”, diz um dos pesquisadores envolvidos na análise do material palestino.

O diretor executivo do IMPACTE-SE, Marcus Sheff, destacou que “é muito estranho que a PEGASE tenha transferido cerca de 3 bilhões de euros para a Autoridade Palestina nos últimos 10 anos. Grande parte desse dinheiro foi oficialmente para o sistema educacional palestino, mas em todo esse tempo a União Europeia não tomou nenhuma providência real para garantir que os estudantes palestinos recebam uma educação que esteja em conformidade com os valores como paz e tolerância. ”

O relatório da IMPACTE-SE de 2017 revisou o currículo palestino em vigor e descobriu que ele era “significativamente mais radical do que nos anos anteriores, glorificando o ‘martírio’ em nome da causa, e promovendo uma visão de mundo ‘islâmica radical’”.

De acordo com a nova legislação, o material didático usado pelas escolas palestinas será examinado para se manter em conformidade com os padrões da União Europeia e da UNESCO. 



Com informações Jerusalem Post



Siga o CanaãBRASIL no Twitter e no Facebook  

LEIA TAMBÉM

DEIXE SEU COMENTÁRIO

* E-mail:
* Senha:
Seja o primeiro a comentar esta matéria!